Busca por Ônibus em Florianópolis



 Buscar  
 Buscar

Parceiros:


  
MIX Rocha

FITZZ | e-bikes

Everbike

MObfloripa | Guia

PLAMUS


Falta de passarela na SC-401, em Florianópolis, é pesadelo para moradores da região







Data:

10/02/2012

Fonte:

Portal ClicRBS | Hora de Santa Catarina | Geral | 09/02/2012 08h30min

Fonte da imagem:

Web prit

TAGs:

rodovia sc-401, passarela, deinfra, florianópolis

Editoria:

Pedestres


Atualização: 10/02/2012



 

imprimir artigo



 

enviar por e-mail



Share/Bookmark

Leia também...

* Inscrições abertas para a Maratona de Santa Catarina



* Falta de passarela na SC-401, em Florianópolis, é pesadelo para moradores da região



* RS: Motorista repete estupidez do atropelador de ciclistas em Porto Alegre



* Após campanha, morte de pedestre cai 37% em São Paulo



* Modelo de faixa de pedestre inspirado nas de Londres está em fase de teste





No local, próximo ao Tican, no Norte da Ilha, não há qualquer alternativa de travessia

A estudante Bruna Goestemeir Araújo, 17 anos, teme atravessar o trecho recém-duplicado da rodovia SC-401, na altura do Terminal de Integração do Norte da Ilha (Tican), na Vargem Grande. Ainda mais quando está com seu filho de um ano no carrinho. No local, não há passarelas ou qualquer outra alternativa de travessia.

O perigo é quadruplicado: é preciso passar correndo por quatro faixas. No meio delas, ainda há o guard-rail de concreto, com uma pequena abertura, que permite a passagem de pedestres. Ali, qualquer deslize pode ser fatal.

Ajuda até para os bombeiros

Para piorar, o grande fluxo de pedestres no local faz com que as pessoas se aglomerem no vão da proteção central que divide os sentidos da rodovia. Os carros passam raspando, próximo às pessoas.

- Tem que esperar um de cada vez - explica a mãe de Bruna, Luciane Goestemeir, 42 anos.

O auxiliar de pedreiro Igor Daniel Vieira, 19 anos, diz que já ficou quase uma hora esperando para atravessar. Pediu ajuda até para os bombeiros.

Todos querem passarela

A reclamação geral é pela ausência de uma passarela para pedestres no local, restando, como alternativa, enfrentar a rodovia movimentada.

- À noite é mais perigoso. Os motoristas não enxergam a gente - diz o auxiliar de elétrica Enoque Edemir da Silva, 19 anos, que atravessa de bicicleta.

O aposentado Carlos Alberto Modelli, 67 anos, tem que enfrentar o mesmo desafio quando precisa ir ao posto de saúde, do outro lado da pista.

- Isso aqui é um absurdo. Ainda vai acontecer um acidente grave - reclama.

Obra não tem prazo

O projeto para a construção de uma passarela está pronto no Departamento Estadual de Infraestrura (Deinfra). Mas, sair do papel, é outra conversa. De acordo com o presidente do órgão, Paulo Meller, a proposta ainda está sob avaliação e não há previsão de obras:

- Temos muitos pedidos de passarelas em todo Estado. Cada estrutura custa em média R$ 500 mil. Sabemos da necessidade, mas temos que avaliar as prioridades.



Acesse essa notícia direto da fonte