Busca por Ônibus em Florianópolis



 Buscar  
 Buscar

Parceiros:


  
Everbike

FITZZ | e-bikes

PLAMUS

MIX Rocha

MObfloripa | Guia


Conferência "Diálogo sobre Metrópole e Mobilidade" mostra as primeiras percepções sobre as mudanças na mobilidade em todo o mundo



A segunda edição deste prémio arquitetura se concentra em seis regiões metropolitanas.




Data:

21/05/2012

Fonte:

SEGS | Mariane Delgado | NOTÍCIAS - Veículos

Fonte da imagem:

www.3d-car-shows.com

TAGs:

audi, alemanha, tecnologia, arquitetura, mobilidade, prêmio

Editoria:

Tecnologia


Atualização: 21/05/2012



 

imprimir artigo



 

enviar por e-mail



Share/Bookmark

Leia também...

* Salão do Automóvel de Tóquio aposta em sustentabilidade e tecnologia



* Você pode ter: Aplicativo para celulares informa a terceiros quando motorista está ao volante



* Google Maps passa a oferecer trânsito em tempo real



* Centro de Controle Operacional e Sistema Integrado de Mobilidade de Curitiba: soluções inovadoras de gestão pública



* Conferência "Diálogo sobre Metrópole e Mobilidade" mostra as primeiras percepções sobre as mudanças na mobilidade em todo o mundo





Escritório de São Paulo foi um dos destaques do evento enquanto arquitetos apresentaram pré-requisitos e tendências para a futura mobilidade urbana

A AUDI AG deu início, na última terça-feira, em Ingolstadt, na Alemanha, à segunda edição do prêmio Audi Urban Future Award 2012. O fórum "Diálogo sobre Metrópoles e Mobilidade" teve como objetivo apresentar novas estratégias para melhorar a mobilidade no futuro e contou com a participação de seis renomados escritórios de arquitetura e urbanismo: Urban - Think Tank (São Paulo), Junya Ishigami + Associates (Tóquio), CRIT (Mumbai), Node Architecture & Urbanism (Pearl River Delta), Superpool (Instranbul), Howeler +Yoon Architecture (Boston/Washington).

Rupert Stadler (Presidente mundial da AUDI AG), Heinrich Welfing (moderador e editor do jornal alemão "Die Zeit") e Peter Schwarzenbauer (vice-presidente mundial de marketing e vendas da AUDI AG), debateram com os arquitetos, que apresentaram ao público participante espaços urbanos extremamente diferentes - geográfica, histórica e culturamente. Mas, eles também têm algo em comum: todos apresentam uma mudança de paradigma na mobilidade, já iniciada em algumas regiões e cada vez mais presente na consciência pública. Movimento ou mobilidade - conforme os arquitetos apresentaram, - hoje integram as mega cidades. Assim, a imagem de uma comunidade urbana dinâmica foi projetada, que se distanciou da tradicional ideia sobre cidades.

A vida dinâmica de São Paulo

São Paulo foi um dos destaques do fórum. Para a equipe de arquitetura da Urban Think Tank, tudo na metrópole brasileira gira em torno do movimento, mesmo que a cidade esteja associada à imagem de quilômetros de congestionamento. Para os arquitetos, que foram ganhadores do Holcim Award Silver 2012, o movimento é uma forma de vida improvisada e espontânea. Durante o debate, eles apresentaram ideias iniciais de como um modelo de sistema de mobilidade flexível e versátil poderia funcionar na capital paulista. "O exemplo de São Paulo nos ensina sobre o desenvolvimento urbano não planejado, que geralmente surge do caos, mas pode produzir soluções surpreendentemente inteligentes", comenta o vice-presidente de marketing e vendas da Audi, Peter Schwarzenbauer.

Uma colorida tapeçaria urbana de Boston a Washington

As regras e liberdades para os automóveis determinaram o fator do "Sonho Americano" nas regiões de Boston/Washington e em todos os Estados Unidos. Mais do que isso: o carro deu uma forma concreta ao sonho americano.

Durante o fórum, os arquitetos Howeler + Yoon mostraram filmes de suas próprias vivências para representar a "experiência" de dirigir na região metropolitana: o tráfego é muito denso. Por isso, apresentaram sua visão, que é a de realizar o "Novo Sonho Americano", com novos conteúdos e uma atualização contemporânea, com a ajuda da infraestrutura 2.0. Em regiões metropolitanas como Boston/Washington ou Nova York, a missão é transferir a infraestrutura já existente para a era digital. "Aqui o desenvolvimento de conceitos de ruas inteligentes pode desempenhar um papel decisivo: a própria rua se torna uma ferramenta de controle, troca informações com os motoristas e, portanto, organiza os carros de maneira eficiente", resumiu Peter Schwarzenbauer, vice-presidente mundial de marketing e vendas da Audi AG.

O alto potencial energético de Istambul

A situação em Istambul é única. A sua localização geográfica restringe as opções de rotas de transporte público: as duas metades da cidade são divididas pelo Estreito de Bósforo e o pelo fato do país estar localizado em volta de montanhas, o uso de vias férreas se faz inadequado. Os habitantes, portanto, recorrem à autoajuda. Empresas privadas de transporte e operadoras de micro-ônibus, por exemplo, prestam seus serviços de forma espontânea, sem pontos de ônibus fixos ou sem uma tabela de horários oficial. A partir desse cenário, a equipe de arquitetos da Superpool sugeriu organizar essa situação reunindo iniciativas privadas e de rede digital, já que Istambul é a cidade com a maior taxa de uso do Facebook na Europa e as redes sociais desempenham um papel importante lá. "Em Istambul, o carro continua sendo o meio de transporte número um. Por isso, gostaríamos de saber como a infraestrutura pode ser otimizada por meio de links para redes virtuais. Istambul poderia ser um laboratório para a revolução digital e para carros inteiramente conectados", explica o presidente mundial da AUDI AG, Rupert Stadler.

Mumbai - sendo agradavelmente suja

Em Mumbai, as mudanças são constantes, principalmente no uso dos espaços. Isso não significa que a infraestrutura das instalações está mudando, mas sim, que os espaços funcionais estão se unindo e conectando. Pode parecer abstrato, mas é visível nos casos em que pequenos comerciantes se instalam na escadaria de um prédio ou onde as famílias vivem e exercem a sua atividade na rua. A equipe de arquitetos da CRIT claramente visualizou isso e apresentou explicações convincentes durante o debate. Mumbai, mais do que qualquer outra cidade, representa densidade extrema e uma disponibilidade cada vez menor de espaço. Nesse contexto, organizar a mobilidade de forma eficiente significa administrar a competição por espaço. Fica claro também, que não serão as grandes soluções que irão ajudar, mas sim, as que emergem das circunstâncias locais, caracterizadas por uma compreensão cultural da região.

A grande oportunidade para o Pearl River Delta

Quatro cidades formam a região metropolitana de Pearl River Delta, na China, e existem diferenças consideráveis (histórias, identidades) entre elas. A ex-colônia britânica de Hong Kong e a cidade histórica Guangzhou (Canton) se contrastam com as recém fundadas Shenzhen e Dongguan. Além disso, o porto de mercadorias de Hong Kong exporta, principalmente, o que é produzido nas cidades vizinhas do interior. O escritório de arquitetura NODE demonstra que a infraestrutura deve ser incorporada no contexto social. "Em Pearl River Delta estamos vivenciando revoltas enormes. Em breve, 80 milhões de pessoas viverão nessa região, 80% delas migrantes. Queremos saber como ajudar e desempenhar um papel importante nessa transição para a mobilidade sustentável, usando uma infraestrutura adequada", afirma Rupert Stadler.

Tóquio - Cidade Paisagem

Ao falar sobre Tóquio, uma experiência marcante surpreendeu os participantes da conferência. Com seu ponto de vista do Extremo Oriente, o arquiteto Junya Ishigami gerou uma reflexão totalmente inusitada sobre o futuro dessa região. Tóquio foi descrita não como uma cidade, mas como uma paisagem - que mistura o natural e o artificial, o crescido e o construído. As fronteiras não são definidas e a mobilidade precisa ser completamente remodelada. O velho estilo ocidental de infraestrutura e planejamento urbano estão sendo questionados pelo vencedor do prêmio "Leão de Ouro", realizado na Bienal de Arquitetura de Veneza, em 2010.

Os seis escritórios de arquitetura participantes do fórum estão competindo, uns com os outros, e os projetos finais serão apresentados no dia 18 de outubro, em Istambul. O júri será composto por especialistas internacionais, que elegerão o vencedor do Audi Urban Future Award 2012, que receberá um prêmio de 100.000 euros.

As percepções da conferência são complexos e revelaram novos aspectos das seis regiões metropolitanas escolhidas. Nas próximas semanas e meses, a equipe Insight, um painel de especialistas de diferentes departamentos da Audi, irá analisar e condensar os resultados, e transmitir para a empresa. O intenso diálogo continuará até a apresentação do prêmio em Istambul, em outubro, e mais além, também.

Para mais informações sobre a iniciativa do Audi Urban Future, consulte o site oficial: www.audi-urbano-future-initiative.com.



Acesse essa notícia direto da fonte.