Busca por Ônibus em Florianópolis



 Buscar  
 Buscar

Parceiros:


  
MIX Rocha

PLAMUS

MObfloripa | Guia

Everbike

FITZZ | e-bikes


The City Fix Brasil: Dados de trânsito em tempo real são bons para as pessoas e para as cidades. O que está atrasando essa tecnologia?







Data:

12/02/2016

Fonte:

The City Fix Brasil

Fonte da imagem:

Recorte digital de thecityfixbrasil.com

TAGs:

ônibus, passageiros, informação, projetos

Editoria:

Trânsito


Atualização: 12/02/2016



 

imprimir artigo



 

enviar por e-mail



Share/Bookmark

Leia também...

* Trânsito do Centro da Capital sofre alterações nesta segunda quinzena de outubro.



* Código de trânsito pode ficar mais severo



* Experimente fazer o teste de mitos do trânsito proposto pelo G1



* TRÂNSITO: Novembro tem curso do DENATRAN em São José



* TRÂNSITO: Prefeitura discute com entidades a revitalização da Edu Vieira





Pessoas com acesso a informações de trânsito em tempo real têm passado 15% a menos de tempo esperando nas paradas de ônibus do que aqueles que não têm essas informações. Além disso, um estudo das rotas de ônibus de Chicago mostra que o acesso à informação aumentou o número médio de passageiros em 2%, enquanto um estudo sobre os sistemas de ônibus da cidade de Nova York descobriu que essas informações também levaram a um crescimento no número de passageiros, resultando em um aumento de U$ 5 milhões anuais na receita das tarifas.



Esses são apenas alguns dos benefícios dos sistemas de informação ao passageiro em tempo real (RTPI, do inglês “real-time passenger information”), que fornecem informações atualizadas sobre horários de saída, chegada e interrupções no serviço, permitindo que os passageiros planejem viagens mais eficientes. Um sistema RTPI prevê esses tempos com base em dados de localização automática de veículos (AVL, do inglês “automatic vehicle location”), bem como em médias históricas e desvios no cronograma. As informações são repassadas diretamente aos usuários em diferentes interfaces, como sites, mensagens e placas públicas, ou indiretamente em um feed de dados abertos que os desenvolvedores podem usar para aplicativos de smartphones sem custos para as agências de trânsito.



No entanto, sistemas RTPI não são baratos e, enquanto projetos prontos para uso estiverem disponíveis para aqueles que podem pagar, a questão sobre como fazer esses sistemas mais baratos e acessíveis para cidades não familiarizadas com a tecnologia, especialmente nos países em desenvolvimento, segue em aberto. Além disso, muitas cidades estão presas a contratos restritivos que governam como os dados devem ser usados.



Este post foi escrito por Diego Canales e publicado originalmente no TheCityFix.



Continue lendo esta notícia direto da fonte...