Busca por Ônibus em Florianópolis



 Buscar  
 Buscar

Parceiros:


  
MObfloripa | Guia

FITZZ | e-bikes

Everbike

MIX Rocha

PLAMUS


NTU: Ônibus urbanos perdem 4% dos passageiros no país em meio à crise







Data:

16/03/2016

Fonte:

NTU (Associação Nacional das Empresas de Transporte Urbano)

Fonte da imagem:

Recorte digital de ntu.org.br

TAGs:

ônibus, passageiros, NTU, transportes, trabalhadores, tarifas

Editoria:

Transporte Coletivo


Atualização: 16/03/2016



 

imprimir artigo



 

enviar por e-mail



Share/Bookmark

Leia também...

* Linhas de Canasvieiras recebem alterações em outubro



* Circulação de ônibus deve operar com frota mínima em caso de greve



* Paralisação no transporte coletivo de Florianópolis deve ser comunicada pelo menos 72 horas antes



* Nova linha executiva para o Campeche



* Projeto de Lei cria o vale-transporte social





O número de passageiros de ônibus urbanos no país caiu em média 4,2% no ano passado em relação a 2014. Levantamento inédito da NTU (Associação Nacional das Empresas de Transporte Urbano) estima uma perda de 900 mil usuários por dia. Trata-se do quarto ano seguido de queda - e a maior registrada nesta década.



Cai número de passageiros de ônibus



Esse mapeamento é feito pela entidade a partir dos dados de 16 grandes cidades (incluindo as maiores capitais), que detêm praticamente dois terços dos passageiros transportados no Brasil inteiro.



Nas duas últimas décadas, os ônibus chegaram a perder espaço diante da concorrência de outros modos de transporte -como motos e carros.



A principal explicação para a queda de 2015, porém, é a crise econômica -que incentiva mais deslocamentos a pé e reduz as viagens de trabalhadores empregados.



A pessoa nem sai mais para procurar emprego porque não acha , avalia Otávio Cunha, presidente da NTU.



A diminuição do número de passageiros cria uma dificuldade adicional para prefeituras e governos estaduais, que são os responsáveis pela gestão desse sistema.



Como a receita das empresas cai, é necessário readequar as despesas delas ou aumentar tarifas para cumprir os contratos com as viações.



Como a pressão contra a alta das passagens é grande e haverá eleições municipais neste ano, os desequilíbrios agravam problemas de qualidade.



Continue lendo esta notícia direto da fonte...