Busca por Ônibus em Florianópolis



 Buscar  
 Buscar

Parceiros:


  
PLAMUS

FITZZ | e-bikes

MIX Rocha

Everbike

MObfloripa | Guia


LabTrans: Modelos matemáticos podem reduzir em até 30% o tempo perdido no trânsito







Data:

18/03/2016

Fonte:

LabTrans

Fonte da imagem:

Recorte digital de labtrans.ufsc.br

TAGs:

motoristas, engarrafamentos, infraestrutura, congestionamento

Editoria:

Trânsito


Atualização: 18/03/2016



 

imprimir artigo



 

enviar por e-mail



Share/Bookmark

Leia também...

* Trânsito do Centro da Capital sofre alterações nesta segunda quinzena de outubro.



* Código de trânsito pode ficar mais severo



* Experimente fazer o teste de mitos do trânsito proposto pelo G1



* TRÂNSITO: Novembro tem curso do DENATRAN em São José



* TRÂNSITO: Prefeitura discute com entidades a revitalização da Edu Vieira





Desviar um pequeno número de motoristas para rotas alternativas reduziria em até 30%, o tempo perdido em engarrafamentos nas áreas urbanas. É o que mostra um estudo publicado nesta terça-feira (15) na revista Nature Communications, com base na utilização do big data – que nada mais é do que o acesso infindável a uma quantidade enorme de dados e informações sobre todo o tipo de coisa e que podem ser combinados entre si para diferentes propósitos.



Entender a complexa relação entre infraestrutura e padrões de locomoção em cinco cidades (Boston e a área da Baía de São Francisco, nos Estados Unidos, Rio de Janeiro, no Brasil, e Lisboa e Porto, em Portugal), e a influência de rotas orientadas ou escolhidas aleatoriamente por cada condutor, foi o objetivo dos três pesquisadores para este levantamento: Marta Gonzáles e Serdar Çolak, do Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT, na sigla em inglês), nos Estados Unidos, e Antonio Lima, da Escola de Ciência da Computação da Universidade de Birmingham, no Reino Unido, e que também foi bolsista do MIT.



“A urbanização levou a maioria da população mundial a viver em cidades, fazendo com que o congestionamento do tráfego fosse um problema crescente”, disse à AFP Marta. O chamado big data pode ajudar a resolver essa questão das grandes cidades ao apontar, por exemplo, onde esses centros urbanos precisam de mais infraestrutura viária, como também pode servir de base para a criação de um sistema que ajude os motoristas desses centros urbanos a se distribuírem melhor na malha já existente, evitando a formação de congestionamentos.



Continue lendo esta notícia direto da fonte...