Busca por Ônibus em Florianópolis



 Buscar  
 Buscar

Parceiros:


  
MIX Rocha

MObfloripa | Guia

Everbike

PLAMUS

FITZZ | e-bikes


ND Online | Perigo em duas rodas: falta de espaço para quem pedala pela SC-403, em Florianópolis







Data:

04/04/2016

Fonte:

Notícias do Dia | ND Online

Fonte da imagem:

Recorte digital de ndonline.com.br

TAGs:

ciclistas, ciclovias, segurança viária, pedestres, álcool e direção, SCs, Florianópolis

Editoria:

Bicicletas


Atualização: 04/04/2016



 

imprimir artigo



 

enviar por e-mail



Share/Bookmark

Leia também...

* Magrelas, gratuitas e eficientes em Brasília



* Bicicletas podem garantir mais segurança no trânsito em Florianópolis



* O futuro do transporte está nas bicicletas?



* Novas "highways" para bicicletas fazem sucesso em Londres



* Bicicleta: o meio de transporte do futuro





As rodovias se tornaram avenidas movimentadas porém, sem os devido cuidados.



A região Norte de Florianópolis é a mais coberta por rodovias estaduais na Ilha de Santa Catarina. Ali estão as SCs 402, 403 e trechos da 401 e  406. E a realidade de quem anda de bicicleta nessas vias se assemelha em muitos pontos. Nos perímetros mais movimentados, como no centrinho dos ingleses (SC-403) e do Rio Vermelho (SC-406), o problema está na falta de espaço para a passagem dos ciclistas e pedestres. As rodovias se tornaram avenidas movimentadas, mas sem a devida humanização. Em alguns pontos as rodovias são utilizadas para a prática esportiva, o que exige atenção com a falta de conservação, que inclui buracos e trechos sem acostamento algum.



A SC-402, que em seus cinco quilômetros liga a SC-401 a Jurerê, é um trecho de baixo fluxo de veículos, e um dos favoritos dos ciclistas que treinam para competição ou pedaladas de longas distâncias. É o caso da triatleta Denise Espindola, 36 anos.



Por utilizar o local onde geralmente são registrados acidentes nas saídas de baladas, nos fins de semana, a ciclista passou a pedalar somente de segunda à sexta-feira. "Já vi tantos carros capotados aqui nas manhãs de sábado que desisti de passar por este trecho. Desisti também porque meu treinador proibiu todos os seus alunos de pedalar  por aqui aos sábados e domingos, desde a morte do Róger Bitencourt", disse a moradora do bairro Trindade. Denise pedala em média 30 quilômetros diariamente e garante: o medo aumenta a cada acidente envolvendo ciclistas na cidade.



Continue lendo esta notícia direto da fonte...