Busca por Ônibus em Florianópolis



 Buscar  
 Buscar

Parceiros:


  
Everbike

MIX Rocha

MObfloripa | Guia

PLAMUS

FITZZ | e-bikes


Gazeta do Povo | Cai drasticamente o número de mortes no trânsito de Curitiba







Data:

05/04/2016

Fonte:

Gazeta do Povo

Fonte da imagem:

Recorte digital de gazetadopovo.com.br

TAGs:

ONU, Curitiba, ruas, rodovias, Vida no Trânsito, acidentes

Editoria:

Trânsito


Atualização: 05/04/2016



 

imprimir artigo



 

enviar por e-mail



Share/Bookmark

Leia também...

* Trânsito do Centro da Capital sofre alterações nesta segunda quinzena de outubro.



* Código de trânsito pode ficar mais severo



* Experimente fazer o teste de mitos do trânsito proposto pelo G1



* TRÂNSITO: Novembro tem curso do DENATRAN em São José



* TRÂNSITO: Prefeitura discute com entidades a revitalização da Edu Vieira





Com índices menores, a capital se aproxima da meta estabelecida pela ONU prevista para ser alcançada em 2020



O trânsito de Curitiba está matando menos. Em 2015, 184 pessoas perderam a vida nas ruas e rodovias que cortam a capital. Apesar de ser um número ainda alto, equivalente a 9,8 óbitos a cada 100 mil habitantes, a redução nos casos fatais é evidente. Desde 2011, quando os números passaram a ser monitorados com mais atenção, a queda é de 40% – naquele ano foram 310 mortes. Com esses indicadores, Curitiba se aproxima da meta estabelecida pela Organização das Nações Unidas (ONU) prevista para ser alcançada em 2020 (que é de redução de 50% em relação a 2010).



Os dados foram apresentados na manhã desta terça-feira (5), numa coletiva de imprensa na prefeitura. O levantamento faz parte do programa Vida no Trânsito, que analisa cada morte ocorrida para detectar quais são os fatores que influenciaram no acidente e buscar forma de prevenir outras ocorrências. O levantamento leva em consideração apenas os óbitos que aconteceram até 29 dias depois do acidente. Pelo levantamento, de cada dez mortes no trânsito, sete ocorreram em ruas e avenidas. Os demais óbitos foram registrados nas rodovias (25%) e na Linha Verde (5%).



Apesar do número de mortes ser maior nas ruas, os dados dos trechos rodoviários são mais alarmantes. Nos contornos Sul e Norte, por exemplo, a média foi de uma morte por quilômetro no ano passado.



Continue lendo esta notícia direto da fonte...