Busca por Ônibus em Florianópolis



 Buscar  
 Buscar

Parceiros:


  
PLAMUS

MIX Rocha

FITZZ | e-bikes

Everbike

MObfloripa | Guia


The City Fix Brasil | Uma forma de medir a segurança viária sem esperar que acidentes aconteçam







Data:

12/05/2016

Fonte:

The City Fix Brasil

Fonte da imagem:

Recorte digital de thecityfixbrasil.com

TAGs:

segurança viária, pedestres, motoristas, ciclistas, motociclistas

Editoria:

Trânsito


Atualização: 12/05/2016



 

imprimir artigo



 

enviar por e-mail



Share/Bookmark

Leia também...

* Trânsito do Centro da Capital sofre alterações nesta segunda quinzena de outubro.



* Código de trânsito pode ficar mais severo



* Experimente fazer o teste de mitos do trânsito proposto pelo G1



* TRÂNSITO: Novembro tem curso do DENATRAN em São José



* TRÂNSITO: Prefeitura discute com entidades a revitalização da Edu Vieira





Com o intuito de implementar a segurança viária, tomadores de decisão precisam aprimorar a informação sobre as ruas de suas cidades. Tradicionalmente, análises de segurança viária têm se baseado em dados históricos de acidentes reais. No entanto, a inconveniência dessa abordagem baseada em acidentes é justamente por ser algo reativo – temos de esperar os acidentes acontecerem para tentar preveni-los. E em países em desenvolvimento, esses dados são muitas vezes de má-qualidade e limitados.



Em vez de analisar falhas passadas, uma abordagem mais proativa é analisar conflitos de tráfego. Um conflito de tráfego é um cenário que poderia ter resultado em um acidente, mas não o fez porque o motorista tomou alguma ação – diminuindo a velocidade, mudando de direção ou buzinando. Uma das principais vantagens de se pensar sobre conflitos de tráfego em vez de acidentes é que eles ocorrem com mais frequência, tornando possível a realização de estudos em um período de tempo muito mais curto. Em uma situação de alto tráfego, apenas vários dias são necessários para recolher dados suficientes para uma análise baseada em conflito, enquanto que uma abordagem tradicional à base de acidentes exigiria um mínimo de três a cinco anos.



Por causa dessa flexibilidade, mais cidades deveriam usar análises de conflito como uma maneira de medir e analisar a segurança viária.



Continue lendo esta notícia direto da fonte...