Busca por Ônibus em Florianópolis



 Buscar  
 Buscar

Parceiros:


  
PLAMUS

Everbike

FITZZ | e-bikes

MIX Rocha

MObfloripa | Guia


Mobilize | Novas calçadas: incentivo à caminhada ou luxo?







Data:

24/05/2016

Fonte:

Mobilize Brasil

Fonte da imagem:

Recorte digital de mobilize.org.br

TAGs:

calçadas, infraestrutura, transportes, bicicletas, ônibus

Editoria:

Pedestres


Atualização: 24/05/2016



 

imprimir artigo



 

enviar por e-mail



Share/Bookmark

Leia também...

* Inscrições abertas para a Maratona de Santa Catarina



* Falta de passarela na SC-401, em Florianópolis, é pesadelo para moradores da região



* RS: Motorista repete estupidez do atropelador de ciclistas em Porto Alegre



* Após campanha, morte de pedestre cai 37% em São Paulo



* Modelo de faixa de pedestre inspirado nas de Londres está em fase de teste





Novas calçadas não resolverão os graves problemas de acessibilidade. Antes de construir calçadas em canteiros com pouco movimento de pessoas a pé, seria pertinente considerar a situação de completo abandono das calçadas em locais com grande circulação de pedestres.



As novas calçadas em construção no Eixo Monumental repercutiram na rede social especialmente pelo risco de dano à vegetação. Apesar de relevante, o eventual corte de árvores não é o principal questionamento. O investimento em construção de calçadas é, em princípio, positivo. No entanto, diante da escassez de recursos públicos e do estado de caos aos pedestres – com calçadas destruídas e convertidas em estacionamento, rampas inexistentes ou bloqueadas – causa perplexidade a obra de calçadas nas duas laterais do canteiro, por onde poucas pessoas passam a pé.



Vale destacar que no Eixo Monumental as calçadas já existentes estão deterioradas e ficaram de fora do amplo recapeamento viário promovido em 2014. No início de abril se encerrou a campanha nacional Calçada Cilada, na qual os cidadãos denunciaram o mau estado das calçadas em mais de 70 cidades. A capital federal se destacou em segundo lugar, com 231 reclamações de buracos, bloqueios e total inacessibilidade aos que caminham. A fama de capital moderna, em que se respeita o pedestre, sucumbe num curto trajeto pela Esplanada dos Ministérios: da rodoviária do Plano Piloto até a catedral sobram crateras e falta acessibilidade.



Há diversos lugares sem calçada no DF, com linhas de desejo bem demarcadas no canteiro. Locais por onde as pessoas já caminham, mas falta infraestrutura. Nestes pontos se justificam novas calçadas. A mobilidade a pé deve ser pensada de forma estratégica e integrada, num projeto maior de cidade saudável, em que se possa caminhar, pedalar e usar outro meios não poluentes de transporte. Calçadas em canteiros, desconectadas de outras calçadas, podem servir para esporte e lazer, mas terão pouca serventia aos que caminham todo dia para chegar ao trabalho ou acessar o transporte coletivo.



Outro ponto relevante refere-se à publicidade, à transparência governamental. Não há placa no Eixo Monumental que indique o custo e os detalhes da obra. Supõe-se ser calçada pelo fato de já haver ciclovia construída bem ao lado. Nos diversos sítios eletrônicos do GDF, incluindo secretarias de mobilidade, de infraestrutura e de gestão do território, também não se encontra qualquer informação sobre o projeto e a obra. Não dá para saber o custo e a extensão das calçadas, ou se houve qualquer consulta pública ou estudos prévios para fundamentar o projeto. Apesar de ser um direito do cidadão “participar do planejamento, da fiscalização e da avaliação da política local de mobilidade urbana”, previsto no artigo 14 da Política Nacional de Mobilidade Urbana, a falta de informações básicas impede o exercício desse direito pelo cidadão.



Precisa-se pensar em medidas efetivas de mobilidade urbana, sem grandes obras e com ações relacionadas à segurança no trânsito, à humanização da cidade. Um pacote de incentivos à mobilidade saudável inclui necessariamente redução do limite de velocidade nas vias, educação e fiscalização de motoristas quanto ao respeito a pedestres e ciclistas, ampliação dos pontos de travessia, criação de praças e espaços de convivência e melhorias no transporte coletivo.



Vídeo sobre a imobilidade na capital federal:





Acesse essa notícia direto da fonte...