Busca por Ônibus em Florianópolis



 Buscar  
 Buscar

Parceiros:


  
Everbike

PLAMUS

MObfloripa | Guia

FITZZ | e-bikes

MIX Rocha


The City Fix Brasil | Fazer da bicicleta uma realidade exige mais do que construir ciclovias







Data:

08/08/2016

Fonte:

The City Fix Brasil

Fonte da imagem:

Pixabay | Unsplash

TAGs:

ciclistas, ciclovias, infraestrutura, trânsito

Editoria:

Bicicletas


Atualização: 08/08/2016



 

imprimir artigo



 

enviar por e-mail



Share/Bookmark

Leia também...

* Magrelas, gratuitas e eficientes em Brasília



* Bicicletas podem garantir mais segurança no trânsito em Florianópolis



* O futuro do transporte está nas bicicletas?



* Novas "highways" para bicicletas fazem sucesso em Londres



* Bicicleta: o meio de transporte do futuro





Parte da infância de muitas pessoas, as primeiras pedaladas em uma bicicleta geralmente remetem a memórias positivas. No entanto, aos poucos as magrelas vão ficando sem uso e sendo substituídas por outros meios de entretenimento e de transporte. A questão é que o estabelecimento de uma mobilidade sustentável de centenas de cidades pode, num futuro bem próximo, depender delas. Fazer elas voltarem às ruas só precisa de um pouco de incentivo.



A experiência em muitas cidades sugere que oferecer instalações especiais para o trânsito de bicicletas é apenas uma parte – ainda que de grande importância – do processo de estimular cada vez mais pessoas a pedalar. Políticas mais amplas, que incluem mudanças no desenho urbano das vias, áreas sem carro, regiões de baixa velocidade, todas essas são atitudes vitais para que a população se sinta segura a trocar o transporte particular pela bicicleta. Porém, aproximar a própria bicicleta das pessoas também é necessário. Para isso, cidades podem valer-se das mais diversas iniciativas, desde fechar ruas para o uso da bicicleta aos domingos ou organizar workshops para quem quer começar a pedalar, até a promoção de megaeventos.



A construção da cultura da bicicleta em Amsterdã, hoje considerada a “capital da bicicleta”, tem muito a ensinar. Entre as décadas de 1950 e 1960, o crescente número de carros e a expansão da economia do pós-guerra fez com as cidades holandesas entrassem em um período de priorização do espaço do carro. Porém, em 1971, todo esse tráfego resultou em 3,300 mortes relacionadas a acidentes com automóveis. A partir disso, diversos grupos passaram a ser formados para pedir por mais segurança nas ruas. Eles receberam apoio do governo e, aos poucos, mais setores tomaram consciência do problema. O governo proclamou uma série de “domingos sem-carro” até que ficou evidente as vantagens do pedalar. Na década de 1980, as cidades começaram a introduzir medidas e normas que protegiam os ciclistas e o resto já sabemos. Atualmente, mais de um quarto do total de viagens são realizadas com bicicletas em um país que possui mais de 35 mil quilômetros de ciclovias.



Continue lendo esta notícia direto da fonte...