Busca por Ônibus em Florianópolis



 Buscar  
 Buscar

Parceiros:


  
MObfloripa | Guia

Everbike

FITZZ | e-bikes

PLAMUS

MIX Rocha


Políticas de inclusão para pessoas com deficiência na Suécia







Data:

17/08/2016

Fonte:

Turismo Adaptado

Fonte da imagem:

Recorte digital de turismoadaptado.wordpress.com

TAGs:

Estocolmo, ônibus, AcessibAbility, pessoas com deficiência, trânsito, tecnologia

Editoria:

Acessibilidade


Atualização: 17/08/2016



 

imprimir artigo



 

enviar por e-mail



Share/Bookmark

Leia também...

* Começa no dia 26, no Rio de Janeiro, a Convenção Mobilidade Sustentável na Renovação Urbana



* Mobilidade ou acessibilidade?



* DIVULGAÇÃO: Curso à distância de Acessibilidade



* Congresso Brasileiro de Turismo Acessível em setembro, na Estância de Socorro/SP



* Acessibilidade atrás do volante





Em Estocolmo, meios-fios adaptados facilitam o embarque em ônibus coletivos. Alertas eletrônicos também anunciam o itinerário dos veículos



A convite do governo da Suécia, para tratar do tema AcessibAbility (um misto de acessibilidade com habilidade, em inglês), o Instituto Mara Gabrilli viajou 15 horas até a cidade de Estocolmo para conhecer de perto as políticas de inclusão para pessoas com deficiência daquele país.



A cidade cheira a coisa nova com arquitetura antiga. Nos prédios, imensos por sinal, intermediados por grandes espaços verdes ou pelas águas (falam que Estocolmo é a Veneza do Norte), palavras escritas em sueco chamam a atenção pela singularidade. Entre klädaffär e McDonalds – sim, a globalização está em toda a parte – podemos observar uma cidade plana onde se anda de bicicleta, tem não muitos carros, porém muito trânsito devido à estrutura estreita das ruas, e o desejo de se acessibilizar a infraestrutura urbana.



O país é signatário da Convenção sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência da ONU desde 2009 e conta com uma Agência para Participação que monitora e fiscaliza todas as ações que prevêm acessibilidade na Suécia. O país tem 343 municípios, perto de 2 milhões de habitantes, e nas cidades há uma fiscalização minuciosa quanto à aplicação das regras de inclusão. Para tanto, a agência conta com 22 unidades abaixo dela para cuidar – cada uma – especificamente sobre um item dessa agenda: mercado de trabalho, educação, assistência social, saúde, transporte, leis, coisas que podem ser consumidas, tecnologia, cultura, esporte e comunicação entre outras.



Continue lendo esta notícia direto da fonte...