Busca por Ônibus em Florianópolis



 Buscar  
 Buscar

Parceiros:


  
FITZZ | e-bikes

MIX Rocha

MObfloripa | Guia

PLAMUS

Everbike


The City Fix Brasil | O pedestre no centro do debate sobre a mobilidade urbana







Data:

26/08/2016

Fonte:

The City Fix Brasil

Fonte da imagem:

Recorte digital de thecityfixbrasil.com

TAGs:

bicicleta, ciclista, calçadas, infraestrutura, segurança viária

Editoria:

Pedestres


Atualização: 26/08/2016



 

imprimir artigo



 

enviar por e-mail



Share/Bookmark

Leia também...

* Inscrições abertas para a Maratona de Santa Catarina



* Falta de passarela na SC-401, em Florianópolis, é pesadelo para moradores da região



* RS: Motorista repete estupidez do atropelador de ciclistas em Porto Alegre



* Após campanha, morte de pedestre cai 37% em São Paulo



* Modelo de faixa de pedestre inspirado nas de Londres está em fase de teste





Andar a pé ou de bicicleta, visto como interesse minoritário por muito tempo, pode ser um desafio no Brasil e em outros países. A mobilidade ativa vem gradualmente se evidenciando nos debates públicos. A bicicleta, ainda que de maneira tímida, tem conquistado espaço. Porém, andar a pé continua tão esquecido quanto o planejamento, construção e manutenção das calçadas. Em Brasília, no entanto, o pedestre ganhou, no último mês, representação pública na implantação da Diretoria de Mobilidade a Pé. Pioneira no Brasil, a iniciativa será coordenada pela administradora e mestre em transportes, Adriana Souza. Entre os papeis desempenhados pela Diretoria está a introdução de novas formas de pensar a cidade, a reflexão sobre espaço do pedestre e a criação de um Plano de Mobilidade a Pé.



Em décadas de planejamento urbano direcionado ao carro, a iniciativa desponta como oportunidade para repensar não apenas Brasília, mas todos os municípios brasileiros – e a humanização de seus espaços – que, hoje, apresentam desigual uso do solo. A Diretoria, se copiada em outras cidades brasileiras, pode fomentar políticas públicas efetivas para quem caminha. Afinal, os deslocamentos a pé não recebem infraestrutura adequada. É fácil encontrar falta de sinalização, tempo de semáforo insuficiente ao pedestre, pouca qualidade e espaço das calçadas, ausência de acessibilidade. E não é preciso caminhar ou procurar muito.



Continue lendo esta notícia direto da fonte...