Busca por Ônibus em Florianópolis



 Buscar  
 Buscar

Parceiros:


  
MIX Rocha

PLAMUS

MObfloripa | Guia

Everbike

FITZZ | e-bikes


Revista Bicicleta | Escuto histórias sobre bicicleta







Data:

31/08/2016

Fonte:

Revista Bicicleta

Fonte da imagem:

Pixabay | Picography

TAGs:

ciclistas, histórias, Rio de Janeiro

Editoria:

Bicicletas


Atualização: 31/08/2016



 

imprimir artigo



 

enviar por e-mail



Share/Bookmark

Leia também...

* Magrelas, gratuitas e eficientes em Brasília



* Bicicletas podem garantir mais segurança no trânsito em Florianópolis



* O futuro do transporte está nas bicicletas?



* Novas "highways" para bicicletas fazem sucesso em Londres



* Bicicleta: o meio de transporte do futuro





Performance/ocupação urbana itinerante de pesquisa e busca de linguagem, o projeto Escuto histórias sobre bicicleta foi idealizado pela atriz Emilia Alcoforado e o psicólogo-psicodramatista Fabio Alcoforado. Os irmãos utilizam a escutatória como ferramenta para o mapeamento afetivo da cidade, ouvindo histórias protagonizadas pela figura da bicicleta – e o resultado será uma peça teatral.



A ideia é tão simples quanto genial. Com uma placa com a frase “Escuto histórias sobre bicicleta”, os irmãos Emilia e Fabio vão às ruas, praças, saídas de trem e metrô, à espera de que algum transeunte pare para compartilhar, sempre com um toque de nostalgia e emoção, aquela boa lembrança em que a bici está presente.



“O Escuto histórias sobre bicicleta é uma pesquisa e busca de linguagem que usa a escutatória como caminho para o trabalho”, diz a dupla, “nosso objetivo é, literalmente, escutar as pessoas e suas histórias sobre bicicleta e estarmos inteiros e dispostos a trocar com cada um que nos aborda. Usamos a palavra escuto porque há uma diferença entre ‘ouvir’ e ‘escutar’. Como bem diz Rubem Alves, no texto Escutatória, em que carinhosamente nos inspiramos: escutar é complicado e sutil. E é através dessa sutileza, no meio do caos da cidade, dos ruídos diversos, das falas atravessadas e pessoas que correm, que colocamos nossos ouvidos à disposição para propor uma re(conexão) do passante com suas memórias afetivas sobre bicicleta e recebê-la”.



A inspiração veio durante um ensaio fotográfico, em que Emilia experimentava autorretratos e uma bela foto com uma antiga Caloi Berlineta, que estava no sótão da casa e pertencia a um tio, se destacou. “De cara veio a ideia de montar um espetáculo de teatro inspirada na foto”, recorda ela, “a presença dessa bicicleta na foto mexeu com nosso campo afetivo e resgatou memórias do tio pedalando com frequência na rua em que morávamos. Na mesma época, descobrimos o trabalho da Ana Teixeira, uma artista paulista que escuta histórias de amor nas ruas enquanto faz tricô”.



Continue lendo esta notícia direto da fonte...