Busca por Ônibus em Florianópolis



 Buscar  
 Buscar

Parceiros:


  
PLAMUS

FITZZ | e-bikes

Everbike

MObfloripa | Guia

MIX Rocha


The City Fix Brasil | Os problemas de uma região metropolitana que não se conecta







Data:

02/09/2016

Fonte:

The City Fix Brasil

Fonte da imagem:

mariordo59 | Flickr-CC

TAGs:

carros, ônibus, transporte coletivo, transporte público, região metropolitana

Editoria:

Transportes


Atualização: 02/09/2016



 

imprimir artigo



 

enviar por e-mail



Share/Bookmark

Leia também...

* Maciço do Morro da Cruz poderá receber Transporte Funicular



* Estudante da UFRGS cria site com rotas de ônibus de Porto Alegre



* Ministério dos Transportes e DNIT preparados para emergências no período das chuvas



* Florianópolis deve facilitar o acesso às informações sobre o transporte público



* Futuro da mobilidade paulista passa por trilhos





Um dos principais motivos para tantos brasileiros ainda seguirem com o sonho do carro próprio é conseguir traçar maiores distâncias com mais rapidez, autonomia e segurança. A própria maneira como muitas cidades se desenvolveram ao longo dos últimos anos, priorizando o transporte individual, leva a esse desejo. Se dentro das cidades grandes pode ser um desafio utilizar diariamente o transporte coletivo, imagine quem se desloca entre municípios, especialmente nas regiões metropolitanas.



A importância das regiões metropolitanas no Brasil é explicada em números: 45% dos brasileiros vivem em 601 municípios das 37 principais áreas metropolitanas. Ao todo, 100 milhões de pessoas vivem nas 60 regiões metropolitanas e cinco aglomerados urbanos no Brasil. Segundo o Censo Demográfico de 2010, divulgado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), do ano 2000 para 2010, o número de pessoas que estudavam ou trabalhavam em um município diferente do qual moravam subiu 93,9%. Em 2000, 7.327.041 pessoas faziam esse deslocamento intermunicipal diariamente. Em 2010, esse fluxo saltou para 14.357.834.



Conforme levantamento realizado pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), realizado entre os anos 2000 e 2010, a população das Regiões Metropolitanas tem crescido acima da média do país. Porém, a população dos seus núcleos crescem a taxas bastante inferiores à média, enquanto os demais municípios da região, ao contrário, crescem a taxas muito mais elevadas. O que ocasiona esse dado, segundo o órgão, é a mudança de cidade da população de menor poder aquisitivo devido aos altos preços dos imóveis nas grandes cidades. Dessa forma, apesar da oferta de emprego ser maior nos núcleos regionais, a população se afasta dos locais em busca de terrenos mais baratos.



Continue lendo esta notícia direto da fonte...