Busca por Ônibus em Florianópolis



 Buscar  
 Buscar

Parceiros:


  
FITZZ | e-bikes

MObfloripa | Guia

PLAMUS

MIX Rocha

Everbike


The City Fix Brasil | Paisagens urbanas e a (in)felicidade dos pedestres



Fachadas inativas criam ambientes sem estímulos visuais que, a longo prazo, podem ser prejudiciais à saúde dos pedestres.




Data:

05/09/2016

Fonte:

The City Fix Brasil

Fonte da imagem:

Recorte digital de thecityfixbrasil.com

TAGs:

carro, calçadas, paisagem urbana, cidades, infraestrutura

Editoria:

Pedestres


Atualização: 05/09/2016



 

imprimir artigo



 

enviar por e-mail



Share/Bookmark

Leia também...

* Inscrições abertas para a Maratona de Santa Catarina



* Falta de passarela na SC-401, em Florianópolis, é pesadelo para moradores da região



* RS: Motorista repete estupidez do atropelador de ciclistas em Porto Alegre



* Após campanha, morte de pedestre cai 37% em São Paulo



* Modelo de faixa de pedestre inspirado nas de Londres está em fase de teste





A quem habituou-se a ver a cidade com o filtro da janela de um carro, a diferença talvez não salte aos olhos. Não é um predicado das cidades brasileiras: em diversas partes do mundo, observa-se o mesmo fenômeno – grandes lojas ou edifícios construídos em áreas características pela baixa verticalidade, contrastando com os pequenos estabelecimentos locais e os prédios de poucos andares.



Embora o movimento talvez não seja tão perceptível, essas grandes infraestruturas podem impactar mais do que a paisagem urbana e exercer efeitos psicológicos nos pedestres que convivem com o contraste todos os dias. O que acontece no cérebro de quem caminha pelas cidades e, num repente, deixa para trás pequenos cafés e restaurantes, com mesas e bancos nas calçadas, para avistar uma megaconstrução, normalmente falha em oferecer um piso térreo atrativo para os pedestres?



O neurocientista e psicólogo ambiental Colin Ellard dedicou-se a responder essa pergunta depois que, em 2007, uma rede de supermercados instalou uma de suas maiores lojas em um bairro de construções históricas em Nova York. O pesquisador da Universidade de Waterloo, no Canadá, dividiu alguns voluntários em dois grupos que foram direcionados a duas áreas do bairro: um grupo em frente ao novo hipermercado e o outro, a poucos passos de distância, em uma das ruas repletas de bares, restaurantes e intensa circulação de pessoas.



Continue lendo esta notícia direto da fonte...