Busca por Ônibus em Florianópolis



 Buscar  
 Buscar

Parceiros:


  
PLAMUS

Everbike

FITZZ | e-bikes

MObfloripa | Guia

MIX Rocha


ND Online | No Dia Mundial sem Carro, morador de Florianópolis dá exemplo com patinete elétrico







Data:

22/09/2016

Fonte:

ND Online

Fonte da imagem:

Recorte digital de ndonline.com.br

TAGs:

Dia Mundial sem Carro, bicicleta, ônibus, táxi, patinete elétrico

Editoria:

Transportes


Atualização: 22/09/2016



 

imprimir artigo



 

enviar por e-mail



Share/Bookmark

Leia também...

* Maciço do Morro da Cruz poderá receber Transporte Funicular



* Estudante da UFRGS cria site com rotas de ônibus de Porto Alegre



* Ministério dos Transportes e DNIT preparados para emergências no período das chuvas



* Florianópolis deve facilitar o acesso às informações sobre o transporte público



* Futuro da mobilidade paulista passa por trilhos





Pela praticidade e rapidez na locomoção, Ubiratan Ferreira usa o equipamento todos os dias para ir do Itacorubi ao Centro



Utilizar outras formas de transporte é a proposta do Dia Mundial sem Carro, comemorado nesta quinta-feira. Seja de bicicleta, de ônibus, a pé ou com qualquer outra forma alternativa de mobilidade, o que vale neste dia 22 é deixar o carro ou a moto em casa. Em dezembro do ano passado, Ubiratan Ferreira, o Bira, 54 anos, técnico da gerência de operações do Badesc, decidiu encontrar uma nova forma de se locomover em Florianópolis. Pela praticidade e economia de tempo no trajeto, todos os dias ele usa um patinete elétrico para ir de casa, no Itacorubi, ao trabalho, no Centro.



Bira nunca dirigiu. Sempre alternou seus trajetos entre ônibus, táxi e a pé. No dia a dia, para ir ao trabalho, usava o transporte coletivo, mas as longas filas, especialmente no verão, fizeram com que buscasse uma nova forma de se locomover pela cidade.



Antes, para chegar ao trabalho, na rua Almirante Alvim, ele precisava pegar um ônibus às 9h no Itacorubi e desembarcava por volta de 9h40 no Ticen. Com mais dez minutos de caminhada, Bira levava quase uma hora para chegar ao trabalho. “Com o pedalete faço o trajeto em 13 ou 14 minutos e não dependo de ficar esperando o horário do ônibus ou do táxi. É só ligar e acelerar”, diz.



Continue lendo esta notícia direto da fonte...