Busca por Ônibus em Florianópolis



 Buscar  
 Buscar

Parceiros:


  
Everbike

MObfloripa | Guia

FITZZ | e-bikes

MIX Rocha

PLAMUS


The City Fix Brasil | Mobilidade nas cidades inteligentes







Data:

26/09/2016

Fonte:

The City Fix Brasil

Fonte da imagem:

Flickr-CC | Moisés Silva Lima

TAGs:

cidades, infraestrutura, transportes, calçadas, pedestres, veículos

Editoria:

Mobilidade Urbana


Atualização: 26/09/2016



 

imprimir artigo



 

enviar por e-mail



Share/Bookmark

Leia também...

* Equipe do Mobfloripa no debate sobre mobilidade urbana em Florianópolis



* Mobilidade urbana na Capital - Veja como foi o Painel RBS



* Mobilidade urbana, afinal que trem é esse?



* Mobilidade ativa pode ser opção para alto número de carros circulando em Florianópolis.



* Florianópolis sediará em março o 1º Fórum das Américas sobre Mobilidade nas Cidades.





Tornar, construir ou moldar cidades inteligentes parece ser o caminho natural para nossa civilização. A velocidade com que se pensa a tecnologia e a informação cresce vertiginosamente. A resposta natural é, portanto, inserir a Tecnologia da Informação e Comunicação (TIC) como parte ativas na construção de um ambiente urbano com serviços e infraestrutura mais eficientes. No entanto, o conceito de Cidades Inteligentes em nada se assemelha às narrativas de ficção, em que e a convivência entre inteligência artificial e meio urbano normalmente resulta em desastres.



A cidade inteligente é aquela em que a tecnologia é incentivada como parte constante no ambiente, mas o objetivo – e o conceito – é a busca por “aderir a um modelo urbanístico sustentável, que abre espaço para que a conectividade, a sustentabilidade e a integração das funções urbanas possam garantir um ganho de qualidade na vida das pessoas”, segundo Paulo Tadeu Arantes, arquiteto especialista em planejamento urbano pela Universidade de Dortmund, na Alemanha.



Ainda segundo o arquiteto, em reportagem da Revista Inovação:



“Quando se diz cidade inteligente, estamos falando, por exemplo, de uma cidade para as pessoas e não mais para veículos”.



Então, como será a mobilidade na cidade inteligente?



A publicação da ARUP sobre a mobilidade na era das cidades inteligentes destaca como aquilo que já interpretamos como negativo deve deixar de existir: congestionamentos, emissões de gases do efeito estufa, mortes no trânsito e infraestrutura urbana organizada para o carro. Afinal, a cidade inteligente se volta à melhor qualidade de vida, seja por meio da qualidade do ar ou de um sistema de transporte coletivo sob demanda que atenda aos interesses de toda a população urbana. O resultado de qualquer movimento de melhoria dessa ordem tem impacto direto na economia, no aspecto social e na qualidade de vida de uma cidade. Assim, podemos definir que a mobilidade, se tratada de maneira adequada, fomenta cidades inclusivas, acessíveis e conectadas.



Continue lendo esta notícia direto da fonte...