Busca por Ônibus em Florianópolis



 Buscar  
 Buscar

Parceiros:


  
PLAMUS

Everbike

MIX Rocha

MObfloripa | Guia

FITZZ | e-bikes


ND questiona prefeitos sobre a necessidade da gestão integrada na Grande Florianópolis







Data:

04/10/2016

Fonte:

ND Online

Fonte da imagem:

Recorte digital de app1.ndonline.com.br

TAGs:

integração, Grande Florianópolis, mobilidade urbana, São José, Biguaçu, Palhoça

Editoria:

Transporte Coletivo


Atualização: 04/10/2016



 

imprimir artigo



 

enviar por e-mail



Share/Bookmark

Leia também...

* Linhas de Canasvieiras recebem alterações em outubro



* Circulação de ônibus deve operar com frota mínima em caso de greve



* Paralisação no transporte coletivo de Florianópolis deve ser comunicada pelo menos 72 horas antes



* Nova linha executiva para o Campeche



* Projeto de Lei cria o vale-transporte social





Reeleitos, Adeliana dal Pont (São José), Camilo Martins (Palhoça) e Ramon Wollinger (Biguaçu) respondem sobre como pretendem gerir de forma mais integrada questões importantes da região



Muito se fala sobre a necessidade de integração entre os municípios da Grande Florianópolis, como forma de solucionar problemas comuns que afetam a vida de seus moradores. O primeiro grande embate elencado é a questão da mobilidade urbana, já que é grande o fluxo de pessoas que se deslocam todos os dias entre as cidades. Os déficits, no entanto, vão além, e afetam também a saúde, a segurança, além do problema do lixo.



Pouco antes de participar do Jornal do Continente, na noite desta segunda-feira (3), os prefeitos reeleitos Adeliana dal Pont (PSD/São José), Camilo Martins (PSD/Palhoça) e Ramon Wollinger (PSD/Biguaçu) foram questionados pelo ND sobre seus projetos para integrar a gestão desses três municípios, que ficam tão próximos no mapa, mas ainda distantes quando se pensa na busca por resultados conjuntos mais efetivos.



“A prioridade na próxima gestão em relação à integração da região é o transporte coletivo. É o mais urgente”, disse Adeliana. “Temos problemas diversos, de saúde, educação, que são muito parecidos nos municípios, mas o principal problema hoje, que a população não aguenta mais, é a questão da mobilidade”, reforçou Camilo.



Confira os projetos e comentários dos prefeitos sobre como resolver de forma integrada alguns problemas latentes nos municípios de São José, Palhoça e Biguaçu.



MOBILIDADE URBANA



A questão da mobilidade foi o assunto destacado pelos três prefeitos, que afirmaram defender a abertura de um processo licitatório único para transporte coletivo, que atenda toda a região de forma integrada. Segundo Camilo Martins, o assunto já foi abordado com Adeliana, Ramon e o governador Raimundo Colombo. “Tenho certeza que ele (governador) vai nos chamar novamente e liderar esse processo”, disse o prefeito de Palhoça.



Adeliana dal Pont – “Temos o grande problema do transporte coletivo, que já começamos a tratar de forma integrada, fizemos algumas reuniões. É importante que isso avance, porque as cidades estão muito interligadas.”



Camilo Martins – “Eu tenho uma sugestão, que já levantei há um tempo, é a questão que Palhoça e São José chegaram a um momento de fazer o processo licitatório do transporte público. E a minha sugestão, que sempre levanto essa bandeira, é que, tanto Palhoça como São José, aliados a Santo Amaro da Imperatriz, Biguaçu e São Pedro de Alcântara, devam fazer uma única licitação, sob a liderança da superintendência do governo do Estado, da Região Metropolitana. Para que tenhamos uma única licitação e uma verdadeira integração, com tarifa única e menor.”



Ramon Wollinger – “O transporte coletivo é uma questão fundamental que precisa ser resolvida na Grande Florianópolis. Vamos partir do zero com o processo licitatório integrado na região, mas também tenho muita reclamação do transporte nos bairros, e gostaria muito que esse transporte fosse integrado intermunicípios, mas que também depois se tornasse intramunicipal, para atender melhor os bairros de Biguaçu. Além disso, com tarifa social, pois levanto a bandeira da tarifa a R$ 2, para que as pessoas circulem dentro do município. Quero que as pessoas saiam de Biguaçu não por necessidade, mas por opção.”



Continue lendo esta notícia direto da fonte...