Busca por Ônibus em Florianópolis



 Buscar  
 Buscar

Parceiros:


  
Everbike

PLAMUS

MIX Rocha

MObfloripa | Guia

FITZZ | e-bikes


Portal do Trânsito | Motos sem catalisadores poluem até oito vezes mais







Data:

10/10/2016

Fonte:

Portal do Trânsito

Fonte da imagem:

Recorte digital de portaldotransito.com.br

TAGs:

poluição, motocicletas, veículos, carros, Denatran

Editoria:

Transportes


Atualização: 10/10/2016



 

imprimir artigo



 

enviar por e-mail



Share/Bookmark

Leia também...

* Maciço do Morro da Cruz poderá receber Transporte Funicular



* Estudante da UFRGS cria site com rotas de ônibus de Porto Alegre



* Ministério dos Transportes e DNIT preparados para emergências no período das chuvas



* Florianópolis deve facilitar o acesso às informações sobre o transporte público



* Futuro da mobilidade paulista passa por trilhos





Responsável por converter cerca de 85% dos gases poluentes em substâncias inofensivas, os catalisadores são peças fundamentais também nos veículos de duas rodas. Isso porque, diferentemente dos carros, as motos exigem mais do motor para ter um bom desempenho, tornando-se, assim, mais poluentes. Segundo a Umicore, principal fabricante de catalisadores do Brasil, as motocicletas podem emitir oito vezes mais gases tóxicos caso a peça seja retirada.



Com uma frota de 20 milhões de motocicletas em circulação no País, conforme dados do Denatran (Departamento Nacional de Trânsito), os cuidados com as emissões se tornam essenciais para garantir a qualidade do ar e controle da poluição. Ainda assim, alguns motociclistas insistem em retirar o catalisador por acreditarem que a peça diminui a potência das motos, o que de fato não ocorre.



“Esses equipamentos são desenvolvidos para gerar pequena contrapressão, por isso, não comprometem o desempenho das motocicletas”, explica o Gerente Comercial da Umicore, Cláudio Furlan. O especialista alerta ainda que a remoção da peça é infração grave e passível de multa, conforme o Código de Trânsito Brasileiro. “O recomendado é que ao trocar o escapamento, seja por razões de durabilidade ou estéticas, o motociclista certifique-se de que o novo produto seja dotado de catalisador”, acrescenta Furlan.



Continue lendo esta notícia direto da fonte...