Busca por Ônibus em Florianópolis



 Buscar  
 Buscar

Parceiros:


  
PLAMUS

MIX Rocha

Everbike

FITZZ | e-bikes

MObfloripa | Guia


Mobilize | Ônibus elétricos, não poluentes, são viáveis em São Paulo







Data:

23/11/2016

Fonte:

Mobilize

Fonte da imagem:

Recorte digital de mobilize.org.br

TAGs:

transporte coletivo, ônibus, tecnologia, Greenpeace, combustível

Editoria:

Transportes


Atualização: 23/11/2016



 

imprimir artigo



 

enviar por e-mail



Share/Bookmark

Leia também...

* Maciço do Morro da Cruz poderá receber Transporte Funicular



* Estudante da UFRGS cria site com rotas de ônibus de Porto Alegre



* Ministério dos Transportes e DNIT preparados para emergências no período das chuvas



* Florianópolis deve facilitar o acesso às informações sobre o transporte público



* Futuro da mobilidade paulista passa por trilhos





É o que revela dossiê do Greenpeace, ao concluir que é possível zerar emissões de carbono da frota da capital sem impactar a tarifa e com benefícios à saúde e à economia



O dossiê "Ônibus Limpo: benefícios de uma transição para combustíveis renováveis na frota de São Paulo", publicado pelo Greenpeace em agosto deste ano, partiu do levantamento de dados de custos operacionais do sistema de transporte da capital, de testes realizados com veículos híbridos e elétricos em outras cidades brasileiras, e de pesquisas em saúde ambiental. Com este trabalho, a organização pretende que a nova licitação de ônibus da Prefeitura de São Paulo possa ser feita incorporando a adoção dos combustíveis limpos. A transição nesse sentido é prevista a Lei Municipal do Clima e deve obrigatoriamente estar completa até 2018.



Desde 2009 que a Política Municipal de Clima estabelece que seja feita a transição de 10% a cada ano, até chegar à totalidade da mudança dentro de dois anos. A incorporação de combustíveis limpos e renováveis à frota de ônibus da cidade é obrigatória, como foi dito, mas no entanto sempre foi negligenciada sob o argumento da inviabilidade técnica e financeira. Pois o dossiê elaborado pelo Greenpeace demonstra o oposto: além de viável e eficiente, a adoção dos ônibus elétricos promove benefícios para a saúde, para a economia e para o clima. E os cálculos indicam que sem pesar no bolso do usuário.



“Para um corte mais agressivo de emissões no setor de transporte, especialmente de passageiros nos centros urbanos, o mundo ruma rapidamente em direção aos veículos elétricos, e uma metrópole como São Paulo deve estar na vanguarda desse movimento", defende Bárbara Rubim, da campanha de Clima e Energia do Greenpeace. Segundo a ativista, o dossiê é a prova de que os investimentos de aquisição dos ônibus elétricos se pagam em médio prazo e de que essa infraestrutura elétrica, mais duradoura, é necessária para promover uma modernização que beneficiaria a cidade como um todo.



Destaques do dossiê

- No caso dos ônibus elétricos puros, testes operacionais têm demonstrado que o custo de manutenção pode ser 25% menor e a economia com combustível pode chegar a 64,7% em comparação com os convencionais a diesel. O leasing de baterias é uma alternativa para reduzir drasticamente o custo dos ônibus elétricos, aproximando-o do valor do veículo a diesel;



- Por meio da tecnologia V2G (Vehicle to Grid), os ônibus não são apenas consumidores de energia, mas parte do sistema elétrico. Eles podem incorporar as fontes eólica e solar, servir de backup e fornecer energia à rede, tornando todo o sistema mais eficiente;



- 47% do material particulado (fuligem) e 13% das emissões de CO2 que poluem o ar da capital paulistana são gerados pelos ônibus a diesel. Os veículos elétricos zeram essas emissões;



- A redução na queima do diesel convencional poupa vidas e recursos: em dez anos, uma redução de 20% poderia evitar mais de 7 mil mortes e os cofres públicos economizariam R$ 53 milhões em gastos de saúde decorrentes de problemas cardiorrespiratórios.



Clique aqui para ver o dossiê do Greenpeace na íntegra.



Acesse essa notícia direto da fonte...