Busca por Ônibus em Florianópolis



 Buscar  
 Buscar

Parceiros:


  
MIX Rocha

MObfloripa | Guia

Everbike

FITZZ | e-bikes

PLAMUS


Revista Bicicleta | Cearenses criam sistema que auxilia surdos a andar de bicicleta com mais segurança







Data:

10/12/2016

Fonte:

Revista Bicicleta

Fonte da imagem:

Recorte digital de revistabicicleta.com.br

TAGs:

Fortaleza, ciclistas, deficientes auditivos, aplicativo, acessibilidade, trânsito

Editoria:

Tecnologia


Atualização: 10/12/2016



 

imprimir artigo



 

enviar por e-mail



Share/Bookmark

Leia também...

* Salão do Automóvel de Tóquio aposta em sustentabilidade e tecnologia



* Você pode ter: Aplicativo para celulares informa a terceiros quando motorista está ao volante



* Google Maps passa a oferecer trânsito em tempo real



* Centro de Controle Operacional e Sistema Integrado de Mobilidade de Curitiba: soluções inovadoras de gestão pública



* Conferência "Diálogo sobre Metrópole e Mobilidade" mostra as primeiras percepções sobre as mudanças na mobilidade em todo o mundo





Sistema criado por alunos universitários de Aracati evita que surdos sofram acidentes enquanto pedalam



A prática de ciclismo em Fortaleza é comumente feita por grupos de adeptos da modalidade. Contudo, engana-se quem pensa que o ciclismo pode não ser um esporte inclusivo. Com a intenção de proporcionar uma pedalada mais segura aos deficientes auditivos, dois estudantes do Instituto Federal do Ceará (IFCE) de Aracati, a 171 quilômetros de Fortaleza, criaram um projeto de inclusão ao ciclismo de destaque internacional.



O projeto, intitulado como uma solução de baixo custo para acessibilidade de ciclistas surdos no trânsito urbano, foi criado pelos cearenses Johnattan Viana e Igor Galdino. Cursando o oitavo e o terceiro semestre do curso de Ciências da Computação, os estudantes pensaram no projeto para atender necessidades do irmão de Johnattan.



“Tenho um irmão surdo e ele tinha costume de pedalar bastante, mas já tinha se machucado muito. Por isso, tivemos essa ideia. Essa solução é de baixo custo porque usamos materiais relativamente baratos. A gente liga alguns sensores em um bicicleta e com eles a gente consegue identificar possíveis situações de risco para o ciclista. Aí a gente passa esses dados pelo celular e um aplicativo faz o tratamento e mostra para o ciclista os riscos próximos ao seu local”, explica Johnattan.



Segundo a professora e pesquisadora do IFCE, Carina Oliveira, a iniciativa surgiu como forma de dar maior acessibilidade aos deficientes auditivos. “Esse projeto surgiu de um projeto antigo que era o de automatizar soluções para acessibilidade, e um deles desenvolvidos foi uma bicicleta para surdos”.



Continue lendo esta notícia direto da fonte...